quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Vestido de chita e eu

Lembro-me que naquele dia eu não tinha certeza se iria sair com as meninas, passei o dia estudando, provas finais, dor de cabeça e um tempo cinza, engraçado é que nos dias em que não estou muito bem com a vida, coincide com dias acinzentados, sou parte do tempo, das estações e sobre isso não discuto, respeito a ventania, a brisa, a chuva fina e a tormenta, o sol que queima ou o que ilumina, meus dias são assim.
Com o passar das horas, senti um balançado interno, um vai e vem no coração, decidi ir, tomei banho (de água e sal grosso), lembro como se fosse agora, o alivio do banho, do cabelo lavado,creme de pitanga, como adoro pitanga na pele, vestido de chita vermelho, sandalias rasteiras, cabelo amarrado como rabo de cavalo, blush e uma rosa vermelha no cabelo.
Naquela noite dancei pra mim, sorri pra mim, fui minha melhor companhia (estar de comum acordo comigo me faz vibrar por dentro), a dança, a música me encontra, me acolhe e me faz flutuar (bebo a mim em grandes goles de vinho quente), naquela noite encontrei você em meio a multidão, não esperava, foi surpresa, achei em meio a mil imagens e situações, um pedaço de mim que estava perdida há um bom tempo. Naquela noite voltei para casa mais completa do que sai, voltei com duas flores, a minha e a minha.

3 comentários:

  1. Impressionante, Noh!

    Acho que temos mesmo muito mais em comum do que o nome...

    Me identifiquei com cada linha desse texto... Me encontrei em cada palavra!

    É reconfortante saber que há alguém no mundo que, mesmo sem nunca ter me visto, me entende por inteiro.

    Obrigada por vc exisitir!

    ResponderExcluir
  2. Ohhh nega, eu consegui o edital, mas não li ainda. E a fernanda me disse que não fala o que vai cair na prova não viu.

    Vamos na sorte.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Noh, flor! Que lindo isso, menina!

    ResponderExcluir